7 de maio, 2011 em doces caseiros, sobremesa

Pudim de leite condensado e coco queimado

Pudim não era exatamente a receita que gostaria de postar às vésperas do dia das mães…mas entre encomendas de bolos, tortas, pavês…não sobrou tempo nem para fotos! Também hoje trabalhei organizando um evento mais do que especial…um almoço para 90 pessoas onde vou lançar uma nova linha de docinhos.  Aguardem!

Por outro lado, pudim é sinônimo de casa de mãe…lembra a infância de todos nós e cada um tem um modo de preparar. Digo que por mais simples que seja, o pudim tem segredinhos para ficar bonito e gostoso. Minha receita é extra grande, mas nada impede de diminuir os ingredientes sem comprometer o resultado final.

Para calda:

  • 01  e 1/2 xic. chá de açúcar.

Usei a forma de 12cm altura, por 25cm de diâmetro. Coloco o açúcar diretamente na forma e levo ao fogo para caramelizar.

Para o pudim:

  • 10 ovos inteiros
  • 02 latas de leite condensado Moça
  • 900 ml de leite integral
  • 200 ml de leite de coco
  • 100 gramas de coco flocado queimado
  • 1/2 xicara de chá de açúcar.

Bata os ovos com leite condensado, leite de coco, açúcar no liquidificador. Coloque o coco e bata rapidamente apenas para agregar tudo.  Como a quantidade é grande, o leite não vai caber no copo do liquidificador. Coloque toda a mistura dentro da forma caramelizada, vá juntando o leite e mexa com uma colher na própria forma do pudim. Leve em uma panela grande com água e cozinhe tampado em banho maria por uns 35 min. Leia com atenção as dicas abaixo:

  • Use ovos frescos e em temperatura ambiente.
  • use leite pasteurizado, em temperatura ambiente e que tenha acabado de abrir.
  • Ao caramelizar a forma, eu gosto de deixar o caramelo num tom “mais do que dourado”, porém corre-se o risco do caramelo amargar, pois mesmo tirando do fogo, o açúcar continua a queimar. Por isso, deixo um recipiente com água fria em cima da pia e assim que tiro a forma do fogo, dou um “choque térmico” na forma de pudim.
  • Sempre aguarde o caramelo esfriar bem antes de colocar o pudim batido. Não precisa espalhar o caramelo pela forma.
  • Atenção na quantidade de água do banho maria. Se for demais, vai entrar dentro da forma quando começar a ferver. Faça o teste da quantidade de água antes de começar a receita.
  • Para saber se está bom, espete uma faca e esta deverá sair limpa. Este pudim termina de “firmar” depois de gelado.
  • Pudim feito em banho maria no forno demora muito mais, além de criar uma “crosta” assada. Mas se não tiver panela grande o suficiente, faça no forno e cubra com papel alumínio. Para agilizar, coloque água já fervendo na assadeira.

Bem, espero que com todas estas dicas, todos possam reproduzir a receita!

Quero aproveitar para deixar uma linda mensagem de dia das mães que recebi via e-mail, de autor desconhecido…mas se vc for mãe, vai se identificar muito com o texto.

Nós estamos sentadas almoçando quando minha filha casualmente menciona que ela e seu marido estão pensando em ‘começar uma família’. Nós estamos fazendo uma pesquisa, ela diz, meio de brincadeira:
‘Você acha que eu deveria ter um bebê?’
Vai mudar a sua vida’, eu digo, cuidadosamente  mantendo meu tom neutro.
‘Eu sei’, ela diz, ‘nada de dormir até tarde nos finais de semana, nada de férias espontâneas.. .’
Mas não foi nada disso que eu quis dizer.
Eu olho para a minha filha, tentando decidir o que dizer a ela.
Eu quero que ela saiba o que ela nunca vai aprender no curso de casais grávidos.
Eu quero lhe dizer que as feridas físicas de dar à luz  irão se curar, mas que tornar-se mãe deixará uma ferida emocional tão exposta que ela estará para sempre vulnerável.
Eu penso em alertá-la que ela nunca mais vai ler um jornal sem se perguntar ‘E se tivesse sido o MEU filho?’
Que cada acidente de avião, cada incêndio irá lhe assombrar.
Que quando ela vir fotos de crianças morrendo de fome, ela se perguntará se algo poderia ser pior do que ver seu filho morrer.
Olho para suas unhas com a manicure impecável, seu terno estiloso e penso que não importa o quão sofisticada ela seja, tornar-se mãe irá reduzi-la ao nível primitivo da ursa que protege seu filhote.
Que um grito urgente de ‘Mãe!’ fará com que ela derrube um suflê na sua melhor louça sem hesitar nem por um instante.
Eu sinto que deveria avisá-la que não importa quantos anos ela investiu em sua carreira, ela será arrancada dos trilhos profissionais pela maternidade.
Ela pode conseguir uma escolinha, mas um belo dia ela entrará numa importante reunião de negócios e pensará no cheiro do seu bebê.
Ela vai ter que usar cada milímetro de sua disciplina para evitar sair correndo para casa, apenas para ter certeza de que o seu bebê está bem.
Eu quero que a minha filha saiba que decisões do dia a dia não mais serão rotina.
Que a decisão de um menino de 5 anos de ir ao banheiro masculino ao invés do feminino no Mcdonalds se tornará um enorme dilema. Que ali mesmo, em meio às bandejas barulhentas e crianças gritando, questões de independência e gênero serão pensadas contra a possibilidade de que um molestador de crianças possa estar observando no banheiro.
Não importa o quão assertiva ela seja no escritório, ela se questionará constantemente como mãe.
Olhando para minha atraente filha, eu quero assegurá-la de que o peso da gravidez ela perderá eventualmente, mas que ela jamais se sentirá a mesma sobre si mesma.
Que a vida dela, hoje tão importante, será de menor valor quando ela tiver um filho.
Que ela aprenderá a dar o verdadeiro valor a sua mãe.
Saberá que uma noite tranquila não significa que foi dormida por inteiro;
Que ela a daria num segundo para salvar sua cria, mas que ela também começará a desejar por mais anos de vida – não para realizar seus próprios sonhos, mas para ver seus filhos realizarem os deles.
Eu quero que ela saiba que a cicatriz de uma cesárea ou estrias se tornarão medalhas de honra.
O relacionamento de minha filha com seu marido irá mudar, mas não da forma como ela pensa. Eu queria que ela entendesse o quanto mais se pode amar um homem que tem cuidado ao passar talco num bebê ou que nunca hesita em brincar com seu filho. Eu acho que ela deveria saber que ela se apaixonará por ele novamente por razões que hoje ela acharia nada românticas.
Eu gostaria que minha filha pudesse perceber a conexão que ela sentirá com as mulheres que através da história  tentaram acabar com as guerras, o preconceito e com os motoristas bêbados.
Eu espero que ela possa entender porque eu posso pensar racionalmente sobre a maioria das coisas, mas que eu me torno temporariamente insana quando eu discuto a ameaça da  guerra nuclear para o futuro de meus filhos.
Eu quero descrever para minha filha a enorme emoção de ver seu filho aprender a andar de bicicleta. Eu quero mostrar a ela a gargalhada gostosa de um bebê que está tocando o pelo macio de um cachorro ou gato pela primeira vez. Eu quero que ela prove a alegria que é tão real que chega a doer. O olhar de estranheza da minha filha me faz perceber que tenho lágrimas nos olhos.

‘Você jamais se arrependerá’, digo finalmente.

Então estico minha mão sobre a mesa, aperto a mão da minha filha e faço uma prece silenciosa por ela, e por mim, e por todas as mulheres meramente mortais que encontraram em seu caminho este que é o mais maravilhoso dos chamados…

Este presente abençoado de Deus… que é ser Mãe.’

“Feliz dia das mães!!!”


Escrito por Marcia Rosa


11 Comentários em “Pudim de leite condensado e coco queimado”

  1. Akemi em 9/05/11 escreveu:

    Que lindo texto, Ma! Até eu que não sou mãe me emocionei! Fiquei curiosa com sua nova linha de doces! Muito sucesso!!! Bjss

  2. angela em 9/05/11 escreveu:

    Marcia, seu pudim ficou divino, alem de ser sim uma homenagem, ontem aqui teve pudim, tem cara de casa de mãe. eu já conhecia este texto, perfeito, completo, incontestavel, adorei relembra-lo. bjs

  3. Fla em 9/05/11 escreveu:

    Márcia, que Senhor pudim! Adorei!!!
    E que linda mensagem nossa… =)
    Beijocas

  4. Fabiana em 10/05/11 escreveu:

    Márcia,
    Que pudim maravilhoso!
    Eu adoraria provar uma fatia desse pudim.
    Nunca fiz com leite de coco..já estou anotando.
    Adorei o texto, lindo….e são todas as preocupações e aflições que passo com meus filhos também.

    beijos

  5. meire Uehara em 15/08/11 escreveu:

    Td bem?
    Fiz o pudim e apesar de ter usado o côco branco(não achei o queimado), ficou uma delícia!Aprovadíssimo!!!

  6. Marcia Rosa em 15/08/11 escreveu:

    Olá, tbém faço com o coco branco e fica igualmente bom…mas se quiser tentar com o coco queimado é só levar o coco no forno até corar, tomando cuidado que queima fácil!
    bjs

  7. caio em 28/08/11 escreveu:

    huum deve ter ficado muito bom em depois da uma passadinha la no meu blog!
    http://prepararprovarpostar.blogspot.com/

  8. Patricia Yui em 12/11/11 escreveu:

    Tenho um bebe de 3 meses e encantada com suas receitas,navegando achei esse texto tao emocionante.
    Obrigada por compartilhar e parabens pelo trabalho!
    Patricia

  9. clara em 17/02/13 escreveu:

    Lindo texto! vou mostrar à minha nora.

  10. maria solange ferreira em 22/03/13 escreveu:

    Amei sua mensagens, acho que vc é uma super mãe, e mulher pois sabe expressar um sentimento tão verdadeiro, que é o amor de Mãe, felicidades. amei tudo o que vc deu de dica

  11. Marcia Rosa em 27/03/13 escreveu:

    Olá Solange,

    Obrigada pelo comentário…não me sinto uma super mãe, mas este AMOR incondicional é sincero. Bjs



Deixe uma comentário


Os comentários são moderados. Por favor, sem palavras feias.

Você pode usar:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>